segunda-feira, 19 de março de 2012

Fanfic Nihongo Lover - Capítulo 1

Yoo minna!! Revolvi fazer uma fic. Acho que tenho que parar com as de Naruto (Na verdade fora só duas) e começam com as originais, que são mais legais de fazer.
Ainda não tenho previsão de quantos capítulos essa terá, mas espero que gostem :)
Ah antes disso, tenho um pedido aos fãs de yaoi :) ALGUÉ PELO AMOR DE DEUSCONHECE UM SITE COM DOWNLOAD DO ANIME JUNJOU ROMANTICA PELO 4SHARED??!!!  T^^T A situação ta critica aqui, a net é beeeem lenta mesmo e eu gosto do 4shared porque tem a opção de download pelo torrent, que baixa as coisas super rápido. Então, onegai se alguém souber de um site que esteja com os links funcionando, please avise-me ok? ^^

Sem mais delongas, vamos ao capitulo

Simplesmente A-M-E-I essa imagem >u<

Capitulo 1- Uma vida... comum?

A noite iluminada de Tókio é realmente impressionante. Fico tão maravilhada que não consigo nem conter meu sorriso, corro pra lá e pra cá como se fosse uma criança brincando. Rio sem parar. Após anos de estudo, consigo ler todos os kanjis que vejo pela frente; algo realmente fabuloso. Ah, estou tão excitada! Aonde irei agora? Que tal...
TRIMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM
Acordei meio sonolenta e confusa
- Hm? Um sonho?
Eu teria sonhado novamente que visitara Tókio? Hunf, mas que coisa... Levantei e fui para a cozinha tomar café, onde encontrei meus pais juntos na mesa, algo raro.
- Bom dia Jaqueline! - Meu padrasto sorria enquanto lia o jornal. Ele casou-se com minha mãe quando eu tinha onze anos, logo após ela brigar e se separar do meu pai devido á rotina corrida e o emprego dele: Roteirista. Provavelmente deve ter sido por causa dele que eu comecei a gostar da cultura do Japão. Mesmo fazendo roteiros de revistas nacionais entre outras coisas, vivia conectado ao outro lado do mundo. "Filha, venha ver só! Olhe que bonito!" "Ah que lindo! Mas que arvore é essa, papai?" "Se chama cerejeira, e é muito comum no Japão". Também deve ter sido pelo meu pai que eu peguei o gosto de escrever e o sonho de criar novels.

Paulo, o padrasto, até que é legal comigo, mas me irrita quando se exibe e se mete em minha vida apontando tudo o que vai ou não dar futuro pra mim. Várias vezes já tive vontade de dizer umas boas verdades á ele...
- O que houve filha? Você parece meio triste - Minha mãe, Vânia, é professora de primário e uma senhora bem comum que, assim como Paulo,bota defeito em tudo o que eu faço e sempre diz que eu sou uma menina boba que sonha alto. Não sei porque, odeia o meu sonho de criar uma novel e morar em Tókyo. Além da falta do tempo, outro motivo para terminar com meu pai foi o fato dele também ser sonhador. Queria ser mangaká, e desenhava super bem. Tudo o que eu aprendi foi com ele, um ótimo professor. "Não aguento mais!! Você e a menina com essa estupidez! Parem com isso! Nunca irá acontecer, você é apenas um trouxa que sonha ir p'ra sei lá onde." até hoje lembro dessas palavras dolorosas que ela pronunciou no momento do rompimento. "Nada a ver! Você era muito nova na época, Jaqueline. Não deve lembrar muito bem, mas eu não disse nada a ver com isso!". Bobagem. Como seria capaz eu esquecer disso?
- Nada demais - Respondi - Estou apenas cansada. Noite passada sonhei novamente que viajara a Tókyo.
Paulo riu.
- Mais uma vez com essa história? Como você sonha alto, Jac. Como é possivel isso acontecer?
Olhei feio para ele, mas pareceu nem notar. “Ninguém te perguntou nada, seu babaca”. Provavelmente minha mãe iria brigar comigo se eu dissesse isso, então procurei me acalmar.
- Não diga isso, nada é impossível. E além do mais – Dou ênfase nas palavras – eu tenho o direito de sonhar com o que quiser!
Ele olha-me com surpresa e seriedade.
- Filha! Já não está na hora de se arrumar? Daqui a pouco você tem que ir para a faculdade.
Fiquei quieta por em momento, mas logo concordei.
- Entendi. Já estou indo mãe.

É certo que ela dissera isso para aliviar o clima entre nós. Bom, mas isso não importa. Subi e me aprontei rapidamente para sair. No caminho da faculdade, passei em frente á lotérica e pensei em apostar em algo. Eu costumava fazer muito isso, mas não me considerava uma jogadora assídua. Comprava apenas raspadinhas e nunca fui de ficar devendo dinheiro á ninguém.
- Acho que não devo mais comprar bilhetes – Falava comigo mesma – Nunca vou ganhar mesmo.
- Ora, deixe disso menina! – Uma senhora de cabelos brancos carregando sacolas chegou atrás de mim – Você tem que acreditar que consegue. Olhe, um prêmio de cem mil reais é meio impossível, mas com as raspadinhas você pode até que ganhar um bom dinheirinho, que vai te ajudar bastante.
- A senhora tem razão – sorri – Mesmo que seja apenas um real, já vai ser bom, não é?
Ela sorriu de volta.
Decidi então comprar um bilhete. Raspei-o com uma moeda. “Mais sorte da próxima vez”. Como de costume, sempre a mesma mensagem...

Apresso-me para não chegar tarde á aula, pois já estava um pouco atrasada. Se ainda não me apresentei direito, foi porque me esqueci. Desculpem-me: Jaqueline Dias, 18. Estudante de jornalismo. Que, como puderam ver, leva uma vida normal.
Bem, voltando á história, após a faculdade encontrei meu namorado, Fábio, para sairmos para jantar á noite. Comecei a namorá-lo há pouco mais de um ano, quando costumávamos estudar juntos na faculdade. Ele era uma pessoa boa e alegre, um palhaço na verdade, mas seu único defeito era que fazia piadas de mau gosto sobre os outros e também era muito machista. Já perdi as contas de quantas vezes olhe feio para ele após fazer elogios extremamente masculinos.

Fomos á um restaurante comum aqui da nossa cidade, já que não nos falávamos a um tempo devido á correria das provas, tínhamos que colocar os assuntos em dia..
- E então? – Ele começou a conversa – Quais são as novidades?
- Hm... Nada de mais. Mmeus pais continuam me atazanando e rindo dos meus objetivos e sonhos.
- É mesmo? Sobre quais? – Disse ele enquanto entregava os cardápios ao garçom após realizarmos nosso pedido.
- Eu desejo ir para Tókio, nem que seja só para passear, sabe. Mas o que eu quero mesmo é me tornar uma escritora.
- Você é realmente uma sonhadora, Jaqueline. Mas qual é a diferença de escrever aqui ou lá?
- Quero escrever novels ou até roteiros de animes e mangás.
Ele parecia confuso. Não fazia idéia do significado desses nomes. Apenas riu.
- Essa Jac, sonhando com o outro lado do mundo...
Nesse momento nosso pedido chega e nós comemos em silencio. Realmente irrita-me o fato das pessoas dizerem que eu sou uma sonhadora e que, mesmo na inocência, meus desejos são impossíveis.

Após o jantar saímos para mais alguns lugares no centro da cidade e nos divertirmos muito. Realmente, foi uma noite bem legal. Ainda era cedo, nove da noite, mas ele precisava voltar para casa e fazer suas lições, porque deixou tudo de ultima hora e haviam acumulado muitas tarefas. Fábio se ofereceu para levar-me em casa, mas como havia de fazer mais coisas pela cidade, tive que recusar. Despediu-se de uma maneira fria e rápida; nem beijo eu ganhei. Ele estava realmente estranho ultimamente.
Após arrumar as coisas que eu tinha de fazer, estava pensando se não faltava mais nada. Decidi ir para casa. Eram 11 da noite. Passei em frente á lotérica, que estava prestes a fechar. Logo me lembrei daquela senhora de hoje mais cedo.
- Tenho que acreditar certo? Vou comprar, afinal, a raspadinha é apenas um real né?
Corro antes que o estabelecimento feche e compro uma raspadinha. Vou para um banco próximo que era iluminado por um poste, para que eu pudesse ver se consegui algo. Para ganhar, os números devem aparecer três vezes repetidos no cupom. Como estava sem moedas, tive de raspar com a unha mesmo, mas como meu esmalte já estava saindo não me importei muito. Conferi o resultado: O valor R$ 1,00 se repetia duas vezes, R$ 10 apenas nenhuma, R$ 5,000 apenas uma e o valor R$ 60,000 três vezes. Levo um susto tão grande que quase dou um grito e caio do banco. Seria possível isso? Mas como? Está acontecendo mesmo?! Após o choque inicial fico confusa. Levanto-me do banco e volto para casa perplexa. Eu ganhei mesmo R$ 60,000 em uma rapadinha?!



Bem então é isso :) Espero que tenham gostado e até o próximo post
Kissus e matta ne >3<

4 comentários:

  1. Own que fic legal *u*
    Faz um favor? Vota no meu blog ( boneca imperfeita ) na enquete desse blog http://the-lovers-world.blogspot.com.br ? Sua ajuda é muito, muuito importante para mim, abraço.

    ResponderExcluir
  2. OMG!!!
    que lindo é seu blog *o*
    Gostei muito e claro que aceito parceria =D
    Kisses ;*

    ResponderExcluir
  3. Gostei da fanfic!
    Agora Jaqueline vai poder finalmente realizar seu sonho de ir para Tóquio e se tornar uma mangaká!
    *-*
    Vai ter capítulo 2 ou é uma OneShot?
    De qualquer maneira ficou 10!
    Parabéns!
    Abç

    adraftbox.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. arigatou minna-san *--* useshi da yo XD
      Jason-kun, hmm... talvez XD ahsuhauh
      sim sim vão ter mais capítulos sim. já estou provedenciando de cria-los
      kissus >3<

      Excluir

Obrigada por ler ^.^ Deixe-nos felizes e saltitantes ao colocar sua opinião/critica/elogio/xingamento/desabafo/qualqueroutracoisa aqui e.e hehe